imagem stress fm
imagem stress fm
imagem stress fm
imagem stress fm
imagem stress fm
imagem stress fm
imagem stress fm
imagem stress fm
12345678910111213141516171819202122232425262728
uma tarde
2013
Rogério Nuno Costa e Susana Mendes Silva
performance/ sessão de trabalho prática no contexto do encontro internacional de artistas e investigadores em Estudos de Performance Indirecções Generativas
Convento da Saudação — O Espaço Do Tempo — e em vários espaços públicos da cidade de Montemor-o-Novo
7 de Setembro de 2013



Apoios: Câmara Municipal de Montemor-o-Novo (Gabinete de Arqueologia), O Espaço do Tempo, Cine-Teatro Curvo Semedo, Indirecções Generativas.

Agradecimentos: Hermínia Santos, Susana Picanço, Ana Carina Paulino.
"Uma tarde", decorreu precisamente numa tarde de início de Setembro com muito calor.
A sessão começou, como começam muitas tardes de verão: com uma sesta. Da sala virada a nascente via-se Montemor-o-Novo ao longe e tudo era silêncio. Vinte minutos depois saímos do convento em direcção ao centro da cidade.
Já no palco do Cine-Teatro Curvo Semedo, e como ainda não nos conhecíamos, propusemos que todos escrevêssemos a nossa auto-biografia, a seguir trocámos as folhas ao acaso e foi outra pessoa a lê-la.
Fizemos um passeio pelo teatro para subir até à zona dos camarotes onde a Susana leu o texto “Mestre Finezas” do escritor Manuel da Fonseca — que foi um dos mais interessantes autores neo-realistas, retratando de forma muito humana os contrastes sociais da vida no Alentejo e especialmente a dureza da paisagem e da vida dos trabalhadores do campo.
Saímos em direcção à tasca mais bonita da terra para beber licor de poejo ou granito montemorense, e aí lemos em conjunto "O largo", do mesmo autor, que é sobre a mudança de centro que a linha de comboio tinha trazido a uma terra alentejana.
Ainda com a temperatura alta, subimos de volta ao convento, onde nos esperava uma infusão de poejo (que tínhamos comprado horas antes no mercado). O texto final foi lido pelo Rogério, numa sala virada a oeste, com vista para uma paisagem rural, imponente e agreste. "Aldeia Nova", é um texto duríssimo sobre a ausência de esperança dos trabalhadores rurais do Alentejo mais profundo. Que afinal tem tantos ecos actuais.
Terminámos a partilhar a documentação de trabalho do nosso projecto na enorme mesa da sala.